quarta-feira, 20 de maio de 2009

Bóris e Eu.

A história do pior gato do mundo.


Nesses 18 anos de vida, já tive tudo quanto é bicho de estimação. Tive um passarinho que chamava Cavalo (?), uma tartaruga manca de nome Angélica, um chinchila Napoleão que a gente descobriu que era fêmea e virou Napoleonita e ainda por cima estava prenha do então Napoleão. Um peixe beta chamado Nicolau. Um gato siamês, o Frederico e atualmente dois gatos, Bóris e Julieta.

A morte do Frederico foi muito dolorida e difícil de superar. 4 anos só de vida, câncer fatal e muito sofrimento. Eu não queria mais bicho nenhum, achava que não ia agüentar outra partida. Só que a falta que um bicho faz é imeeensa. Nos demos conta dois meses depois e pegamos outro gato: o Bóris.

Não tínhamos noção do que seria de nossas vidas depois da chegada desse ser siamês vesgo do olho azul, rabo quebrado e 4 kg de pura malandragem.

Chegou tão pequeno, tão fofinho, carinha de indefeso. Mais tarde íamos saber que ele era o pior gato do mundo.

Não podia ver pernas balançando, braços balançando, dedos se mexendo, cabelo se mexendo, que ele ia ao ataque.

Cansada de tantas mordidas nas pernas enquanto cozinhava, minha mãe me pediu para procurar um outro gato, achava que o Bóris precisava de um companheiro.

Aí entra em cena a salvadora da pátria, Julieta, Juju para os mais íntimos. Das nossas pernas, ele passou a atacar as patas da Julieta. Dos nossos cabelos, ele passou a arrancar os pelos da Julieta.

Não se engane com sua magreza. Nada que possa ser considerado comestível pode estar ao seu alcance. Fruteiras devem ser só para enfeite, ele tem loucura por caquis e coroas de abacaxi. Lave os pratos assim que terminar de comer, não perca o prato de vista nem por um minuto. Num piscar de olhos, ele terá lambido todo o resto do seu prato e no outro ele estará vomitando no tapete recém lavado da mamãe. Lixos devem ser exclusivamente para não-orgânicos. Restos de comidas devem ser jogados na lixeira do condomínio ou ele trará aquela salsicha que você não quis comer no almoço e jogou no lixo para as visitas verem. O box do banheiro deve ser devidamente travado com um pedaço de plástico que meu pai inventou, para que ele não entrasse no box e ficasse todo molhado, já que ele adora água. Ah.. ele também adora buchas de banho, as trouxe para as visitas algumas vezes. Aliás ele ama visitas! Recebeu carinhosamente meu avô, meu tio e o fisioterapeuta da minha mãe com uma mordidinha na cabeça. Mas ele de verdade AMA visitas, vai no colo de todas, faz graça para todo mundo, só experimente não dar atenção a ele, você receberá uma mordidinha de lembrança: “Estive na casa da Amanda”.

Depois da sua chegada nada mais foi igual, devido à destruição nos móveis, nossa casa atualmente segue o estilo rústico, estilo casa de sítio, onde todos os móveis não são comestíveis e não servem de afiador de unhas. Esquecemos os enfeites e todas as plantas, que quando não serviam de comida, serviam de brinquedo. Ele é louco por papéis também, mas não qualquer papel. Só notas de 20 reais, contas a pagar e anotações preciosas.

Isso tudo se trata da história de um gato, acreditem. Um gato que minha mãe já quis dar fim, umas 30 vezes no mínimo. Um gato indomesticável, que quando apanha ao invés de ficar com medo de você, quer te enfrentar e guarda mágoa durante semanas. Um gato que atende por Clóvis também. Um gato que quer carinho 23 horas por dia. Um gato que sabe quando a gente está doente e permanece lá ao nosso lado até a dor passar. Um gato que sabe quando a gente está triste e se encosta como se fosse capaz de enxugar todas as lágrimas. Um gato que sabe achar um espacinho vazio entre os seus braços para se aconchegar.Um gato que é tudo aquilo que um gato não é. Agitado, carinhoso, brincalhão. E gosta de tudo aquilo que gatos não gostam. Caqui, água, visitas. Um gato que é sim, o melhor gato do mundo.

Ps: mil perdões pelas longas 4 horas que te deixei preso na gaveta.


2 comentários:

M. disse...

OWWWWWWWWWWWN QUE TEXTO LIIIINDO AMIIGA
Hahahhaha
ameiii!
poxa, até que ele é bonzinho comigo.. só levei uns arranhões algumas vezes, mas não guardo máguas. Lembro uma vez que eu, a vick e vc estavamos dormindo na sala, e qdo eu acordei ele tava na minha perna, dormindo. OWWWWN
seu gato é o máximo, e a juhjuh tb.
Meu Deus eu ri muito com esse "cavalo (?)" UIASHUASUHUUSH
TE AMO MANA

Renata Fontanetto. disse...

Bichos são únicos mesmo.
Minha tia tem três gatos: Sarita, a ronronadora de excelência; Pitchitchinha, a folgada que dorme de barriga pra cima (e aidna pede carinho) e Romeo, o gay.

Me divirto com eles cara.
E eles se enfezam comigo.

adooro ^^